Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

Vida Minha

S.O.S Vida
Bom dia Vida
Minhas botas-borboleta
Minhas lágrimas de limão
Essa lua sorrindo
no peito
A camuflagem massa
do camaleãoBoa tarde Vida
Clamando por paz
Nunca é tarde
pra te pedir perdão
salvar um coração...
Nunca
é tarde demaisBoa noite Vida
Sabe o que me trouxe
até aqui...
Seus ares misteriosos
Suas doces matas verdejantes
Seus olhos- brilhante
Sua verdade explícita
30.05.2016 _Teresa Jardim

Glauco Mattozo por Teresa Jardim

Manifesto Obsoleto de Glauco Matoso



MANIFESTO OBSONETO

Isto não é poesia que se escreva
é pornografia tipo Adão e Eva
Essa nunca passa por mais que se atreva
Do que o Adão dá e do que a Eva leva

Quero a poesia muito mais lasciva
Com chulé na língua/ suor na saliva
Porra no pigarro/ Mijo na gengiva

Pinto em ponto morto/ Xota em carne viva
Ranho chico cera/ Era o que faltava
Sebo é na lambida/ Rabo não se lava

Viva a sunga suja/ Fora a meia nova
Pelo pelo na boca/Jiló com uva
Merda na piroca / Cai como uma luva

Cago de pau duro...Nojo? Uma ova!!!


autor:  GLAUCO MATTOSO
(DIREITOS RESERVADOS DO AUTOR)

Para Fernanda Nogueira (REVISADO ll)

Imagem
Michelangelo: Um dos nus do teto da Capela Sistina.
POR NO POEMA, FECUNDAR A POESIA…

  E nós que pensávamos que jamais reveríamos
o manifesto de nudez pública(púbica...) E até a ideia
nem tanto comprometida com a hermética ou com métrica...
(mais não dispensamos a pô - ética! ) Nem mesmo
com a modernidade sofisticada das palavras colhidas
como seleciona-se joias… Já o  porno- poema  é:
a bio joia da vaidade poética resistente brasileira.
  Revertendo valores e conceito, o Movimento de Arte Pornô
surgiu sacudindo e fortalecendo o vocabulário do poeta.   Tal com uma flor de lótus que se abriu (Ipanema/ verão 82)!   Num cenário de quebra de censura e decadência da impronunciável ditadura...Isentos de culpas, detonandosim, mórbido pudor... muitos séculos de falsa moral, aindaencruados na sociedade dita civilizada, vigente..
Teresa Jardim 23/05/2016

morada

Desatar os nós do coração
MORADA