sábado, 2 de maio de 2015

nostagia


Nostalgia
Quando a caneta quer se tornar obsoleta?
Só quando está ausente, distante da gente
Porque quando está presente é a escolhida
Caneta amiga é fina e não gosta de brigas
Mas nos reencontraremos muito em breve
Juntinhas fazermos os poemas dos deuses

Enquanto isso nasce uma ideia no teclado
Tudo bem certo e metrificado, como todos
Os poemas que bem se faziam no passado!
No colo do papiro quando a pena escrevia
De leve molhada a tinta nanquim escrevia
Dedicava autografando o livro de poesias
  
  02/05/2915 às 19:15 h         Teresa Jardim