domingo, 22 de dezembro de 2013

capelinha de melão

CAPELINHA DE MELÃO II

Não se pode abandonar a consciência
Largá-la mofando em um canto qualquer
Porque esta é imortal. Até pode-se 
minimizá-la...mas não pode morrer
Ela pode até sofrer em silêncio
É capaz de esperar milênios...
Mas virá à tona um dia
-Que seja hoje! Despida de toda e
qualquer culpa. Tratá-la como um bebê
um neném-maravilha, tornando-se leve
e livre!
 Nos cabe a missão de resgatá-la e
reconfortá-la, sutilmente despertá-la
Também dando-lhe asas para atuar
num mundo de muitos sem-consciência!

              teresa jardim
            05.12.2013 - Caldas