sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

De Reynaldo Jardim para Teresa Jardim

Teresa

Eu hei de ter sempre a tua idade
minha filha, os segredos dos mares,
a solidão de tua ilha, a serena
verdade de cada noite, cada dia
os frutos da tarde, a lágrima / escondida

Nós, que construímos este mundo
de vergonha, a mentira dourada
a bomba e o pânico secreto implantamos
devemos falar baixo e aprender

essa lição divina, nascida no gesto
jovem do meu filho, de teu filho,
criança clara e necessária esperança.

Todo poder falido, toda verdade gasta
todo império ruído, toda herança
envenenada, a mentira
instituída, toda crença desterrada.
esse mundo que deixamos, minha filha

Vou seguir por qual estrada?
_Me diga qual o caminho
que eu vou na sua pisada 
O mundo que te ensinam
Termina num grande nada
Abra com as mãos o seu destino
me ensina a tua verdade,
em tua lição aprendo
o verbo fraternidade

O não saber a que chegamos
te entregar é crueldade.
Me ensina, minha filha
os segredos de teus mares
A vastidão de tua ilha.

       Reynaldo Jardim (do livro ''Sangradas Escrituras")