Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2015

imagem romantica

Imagem
FLASH BACK POÉTICO

(Poemas extraídos da ANTOLOGIA POÉTICA DE 
TODOS  VI _ Coletânea de poemas apresentados no varal por ocasião das manifestações independentes  pelos poetas
na CinelândIa - agosto/ dez.1980/ Feira da Poesia. Editada e publicada por Leniel Jair
n'O Poético, nossa revista de poesia independente que perdurou por uma década 89/99 em Nova Friburgo/R.J).
_____Fri___________________________________

CHUVA de AMOR
Era como se fosse um hino 
de amor.
A chuva fazendo acordes
sonoros
uma canção,
compondo aquele cenário
dentro
de escuridão.
Vibrava o amor
com emoção...
E a chuva caía sempre
como se dela viesse
a força
do coração.

Mirtes Fernandes Renó
______________________________________________________
MUDANÇA
Vou mudar daqui
mas quero levar comigo
o meu horizonte
o meu entardecer
o  meu nascer do sol
a minha estrela d'alva
a minha lua cheia.

Vou levar na minha bagagem
todas as cores do céu,
os pinheiros das montanhas,
as torres da televisão.

Vou levar a brisa suave e morna
pre aquecer minha cama.

Vou muda…

bálsamo

Imagem
BÁLSAMO

POETAS NÃO COMPETEM
POETAS 
CONFRATERNIZAM-SE
ESBARRAM-SE NO INFINITO
                            DO INVISÍVEL
SER POETA 
É SER SENSÍVEL
É OUTRO PATAMAR
                  OUTRO NÍVEL
POETA NÃO MORRE: 
PEDE LICENÇA...

ESCORRE PELO CAULE
DA PLANTA MÁGICA 
DA SUA INSTIGANTE... VIDA.

                                     Teresa Jardim
 23/ 09 /2015

deslumbre

Imagem
DESLUMBRE ou engrenagens

Encaixe das engrenagens
desenrolando o novelo
lançando no ar, um apelo
grito pela paz
Acompanhando 
os novos tempos
no quebra-cabeças, da vida
Vislumbro
visualizo a paisagem
_Cuidar
do não endurecimento
das concepções e idéias
Elas vivem melhores
flexíveis e maleáveis
não vulneráveis
Temos de cuidarmos
de não desenvolvermos
a contradição
Ela é extintora da chama
da razão

concluído em: 19/09/2015

escancara

Imagem
ESCANCARA

poema de verdades composto de amorflecha- cupido certeira
poema- torpedofinaliza o medoquebra o gelo
imposto pelo desconfortotransgride o silênciodefine o momento
a tempoum verdadeiro abraçojogado no espaço
lançado ao marida sem revoltanão dá meia volta
e-s-c-a-n-c-a-r-ao poemaque fala na cara
14.09.2015Teresa Jardim

fundo do baú IV

Imagem
  fundo do baú IV


AMIGO AMIGA AMOR


Eles querem ver o circo pegar fogo
Invejam a alegria dos palhaços
Trapezistas em equilíbrio pleno
E a beleza e amizade Circenses

Eles estão escondidos atrás
Das muralhas dos seus medos
Preconceitos, discriminações 
Ações compulsivas de ódio e solidão

Mas um dia...
Eles irão liber(t)arem-se
_Desejar a vida e amar o Sol!

Um dia eles "enxergam" 
Sintonizam...
Na pura luz do meu farol (he... )


22/07/1993_ Teresa Jardim
______________________________________________________
 POESIA DE VARANDA (meados de 90)

 STAR APAIXONADA I

_Estar apaixonada
é tê-lo no coração
aceso
25 horas por dia!

_É não querer nadanão pedir nadae ficar sorrindo atoa...
                                                                                                                                                          STAR APAIXONADA II
Estar apaixonadaé dormir nuasob alguns cobertoresnum dia de frio.
É deitar nas nuvens- com os anjos-e sonhar com Deus.

.
____________________________________________…

Leniel Jair II (1950- 2015)

Imagem
FOLHAS DO OUTONO

Estalo do talo
que quebra
e com a folha cai.
Balbuciante,
planeante desce a folha
apoiada no ar,
despreocupada com o pousar,
o vir se juntar
a legião do outono.
Chão de terra
coberto de grama,
chão de grama
coberto de folhas.
espalhadas, empilhadas
o balançar vacilante
ao sabor da brisa que tange.
O vento mais forte, ventania,
revoante trocar de posições;
parceiros novos,
novos amantes...
onde o sapo se esconde e grasni
e a formiga opera cortante.
Do verde-amarelo
ao roxo-marrom,
vê-se o límpido orvalho,
refletindo o Sol da manhã,
resquício de água sereno
sacia o lamber
da sede animal,
Meio dia de sol ardente
exaurindo as defesas.
O entardecer ressequidoestão as folhas secas do jeitomorrido, sopradas pelo ventodesconsiderando o rito.Folhas da planta do talo estalidono chão de grama se encerramsecas em terra.


 /1996            por Leniel jair

(fonte: O Poético 15- N Friburgo/Rio)




Leniel Jair (1950-2015)

Imagem
TER AMOR

Amemos
Amando
Amaleando
Âmago

Amai-vos
Ama vida
Ama ilha
Ama arcos
Ame barcos


AmeiAmei-aA meigaA mega
Ame arAme-aA mãe
Ame larAmeAmainarAmai-oAmai-a
Ame elaAma minaA manoÓ meu!

LENIEL JAIR
_____________________________________________________________________
"INTENSO" _Deus me operou, quando em mim tocou, com o brilho sutil dos seus olhos... Teresa Jardim /96
_________________________________________________________________________________

Reynaldo Jardim continua

Imagem
Reynaldo Jardim continua ...



PÓS- PARTO
Se de repente se abre um tempoamargo e a manhã - em vez de cantarsua alvorada - silencia cinzenta,ainda assim - confia, son_ha, inventa.Se de repente se fecha o seu caminho e as pontes se quebram sobre os riose a aurora silencia cinzenta,ainda assim - confia, sonha, inventa. Confia, que a confiança iluminaa manhã e abre os portos. E jogapra frente o passo certo.Sonha, mas, sem dormir, mantem despertoteu sentido no amanhã e inventa,com tuas mãos o caminho a seguir.E no caminho, não planta rosasplanta couve, alface, beterraba.Sem fome, toda manhã será dourada.
(fonte: Sangradas Escrituras pág 69Trabalho de Parto B 25)